Seis pessoas são presas no MT suspeitas de matar síndico por vingança

Seis pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (9), em Chapada dos Guimarães (Mato Grosso), suspeitas de terem cometido um crime para se vingar do síndico do condomínio de um deles.

Seis pessoas são presas no MT suspeitas de matar síndico por vingança
Seis pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (9), em Chapada dos Guimarães (Mato Grosso), suspeitas de terem cometido um crime para se vingar do síndico do condomínio de um deles. O caso aconteceu em janeiro, quando uma quantia de dinheiro supostamente sumiu no apartamento de um dos suspeitos.

De acordo com a Polícia Civil, os investigados fazem parte de uma organização criminosa conhecida por cometer crimes violentos no estado do Mato Grosso. À época do crime, o síndico foi acusado por um dos suspeitos de ter furtado uma quantia de supostamente R$ 160 mil. O latrocínio, então, teria funcionado como uma forma de vingança.

Ao todo foram cumpridos 17 mandados judiciais através da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derfva), entre eles 6 mandados de prisão e outros 11 de busca e apreensão.

ENTENDA O CASO

No dia 31 de janeiro, Hildebland Pereira da Silva, a vítima, foi espancado e atingido por tiros. O laudo de necropsia apontou falência múltipla dos órgãos causada por um objeto contundente que perfurou os órgãos.

A investigação concluiu que os suspeitos forneceram o veículo utilizado no latrocínio e participaram do espancamento e dos disparos. Uma arma de fogo foi apreendida na casa de um deles.

De acordo com o delegado do caso, um dos suspeitos teria apontado que o valor subtraído correspondia a R$ 160 mil, mas não há como comprovar, uma vez que o valor era proveniente de ilicitudes, conforme o delegado apontou. No entanto, a polícia reconhece que o síndico comprou uma motocicleta nova pouco tempo após o crime, o que teria sido o gatilho para o planejamento do esquema.

Ainda segundo o delegado, cada suspeito teria executado uma função diferente no crime, reforçando a ideia de que faziam todos parte de uma organização criminosa. Por fim, alguns dias após o crime, um dos suspeitos foi encontrado com os veículos subtraídos e o carro de apoio utilizado no crime.